Pais de pessoas com restrições alimentares atendidas na instituição tiveram uma aula com dicas de culinária para quem tem fenilcetonúria na última terça-feira (3). O tema foi \”Cozinhando com a Fenilcetonúria\”. Ao longo do ano, outras edições serão agendadas.

Essa cozinha experimental desenvolve e testa receitas para quem tem fenilcetonúria, capacita as famílias na elaboração dos cardápios, de forma que os pratos fiquem mais atrativos. São orientações importantes para a saúde dos filhos com a nutricionista Maria Aparecida Correia Silva.

É oferecida pelo Centro de Diagnóstico Dr. Américo Buaiz (CEDAB), tendo a nutricionista Angela Ghizi como responsável pelo ambulatório de fenilcetonúria.

 

Delícias

Pão, macarrão, massa folhada, biscoito de água e sal foram algumas receitas do dia. Devidamente testadas e aprovadas pelas famílias.

A dona de casa Ravena Venancia dos S. Geremias, mãe de um menino de um ano com fenilcetonúria, veio de Marilandia, Norte do Estado. Participou pela primeira vez. “Quero aprender logo para ele crescer com alimentação variada. Gostei do macarrão de agrião, cenoura e beterraba e do pão, pois são receitas fáceis.”

Ela conta que quando descobriram o problema ficaram com medo, mas hoje sabem que é só seguir a dieta e comparecer a consultas periódicas.

Mãe de um rapaz de 18 anos, no ensino médio e cursando eletrotécnica,  Jussara Celestino participa de todas as oficinas. “Meu filho gosta de pão, coxinha e pizza. Mas segue a dieta todos os dias”, acrescenta.

Já a dona de casa Elizabeth Reis, de Vila Velha, avó de um adolescente de 12 anos com fenilcetonúria, gosta de aprender receitas diferentes. “Faço o que meu neto mais gosta, como pão de queijo e salgados. Mas busco outras opções para não ficar repetitivo”, conta.